82-O-sabor-do-conhecimento-no-prato-refinado-da-gestao-09022018

O sabor do conhecimento no prato refinado da gestão

Por Carlos Faccina
Tenho acompanha com atenção e admiração os textos e a procura intensa por novos sabores de Alex Atala, chef brasileiro e proprietário dos restaurantes D.O.M. e Dalva e Dito, em São Paulo. Ocorreu-me que a arte de identificar novos sabores, e com isso proporcionar prazer, não se restringe à culinária.

A busca do conhecimento, de igual modo, gera essa satisfação. Embora em campos distintos, a arte culinária do Atala explora, a partir de bases clássicas, as possibilidades gastronômicas dos ingredientes nacionais e parte do princípio que o sabor pode provir de produtos absolutamente comuns, e até desprezados pela maioria dos brasileiros.

Mandioca, mandioquinha, cará, inhame, ervas aromáticas que são produtos dos mais acessíveis em preço e quantidade nas feiras podem, se bem harmonizados, e deles extraídos certas essências, proporcionar ao paladar um prazer acima de qualquer suspeita.

O simples pode se tornar um prato refinado e que emite, de imediato, a sensação de prazer e bem-estar. Do mesmo modo, o conhecimento não é algo que advém somente do complexo, do erudito.

A descoberta do significado de uma palavra, a construção de uma frase elaborada, o som e o “sabor’ de uma música, a simplificação de um processo ou método de trabalho, a relação com o outro podem geram também um prazer forte. O prazer de descobrir nos traz o que pode ser chamado de felicidade, realização e, sobretudo, nos energizar para melhorar nossa qualidade de vida no trabalho e no âmbito pessoal.

Identificar o sabor do conhecimento é um instrumento de gestão tão importante quanto descobrir as grandes inovações. Agora, do seu lado, estão muitos desses ingredientes. É preciso reconhecê-los e valorizá-los na “panela da gestão”.
Compartilhe

Categorias

Assine a nossa newsletter

Fique por dentro dos principais temas em gestão, aprendizado e tecnologia do mercado!

Você também pode gostar