Foto Sidnei Silvestre

Educação para todos

Por Sidnei Silvestre

Feito pela Comissão Internacional sobre a Educação para o Século XXI, os quatro pilares sobre os quais a educação deve se firmar, foram apresentados no relatório para a Unesco e mostra os seguintes tópicos:

  • Aprender a conhecer

Cuida do descobrir ou construir o conhecimento.

  • Aprender a fazer

Visa despertar e estimular a criatividade para que se descubra o valor construtivo do trabalho; 

  • Aprender a conviver

Consiste em oferecer um espaço que estimule ações solidárias e cooperativas em busca de objetivos comuns.

  • Aprender a ser

Prepara para elaborar pensamentos autônomos e críticos a fim de agir em diferentes circunstâncias da vida.

 Agora vem o grande desafio! 

Como garantir esta aprendizagem entre crianças e jovens com deficiência, já que para que ela ocorra não basta colocar essas pessoas em uma sala de aula regular e esperar que o milagre aconteça?

 

Primeiro vamos entender a situação do cenário educacional que temos disponível atendendo este público com a necessidade de atenção personalizada.

Escola Especial: 

Durante muito tempo essas escolas vêm desempenhando um papel muito importante para a formação com qualidade das pessoas com deficiência, pois em um ambiente adequado às necessidades características de cada indivíduo, é oferecido material adaptado, professores capacitados e ambientes capazes de estimular e proporcionar o desenvolvimento individual de cada cidadão, desde a educação infantil até o ingresso no nível superior.

Deficientes visuais têm materiais em braile e com fonte ampliada, surdos têm intérpretes e aulas de LIBRAS, cadeirantes ou pessoas com mobilidade reduzida têm mobiliários e acessos adequados, além de atividades extras curriculares que possibilitam a interação com todos os outros alunos que possuem a mesma deficiência, facilitando a troca de experiências, porém não estimula o convívio e a interação com alunos sem deficiência.

Escola Inclusiva:

Em 2008, foi criado o Decreto 6.571, com a política denominada de “Educação Inclusiva”, cujo objetivo é garantir recursos para os estudantes com deficiência se matricularem em escolas públicas regulares e receberem atendimento educacional especializado de acordo com a sua necessidade.

Nesta modalidade de ensino todas as pessoas com deficiência ou não, devem estudar no mesmo ambiente a fim de eliminar preconceitos, promover a inclusão e propagar a igualdade.

Entende-se que, com esta integração será desenvolvido um senso de acolhimento e de participação entre os seus alunos, transformando dessa forma, a escola em um ambiente diverso e inclusivo. Porém, neste modelo, a troca de experiências de como contornar determinados obstáculos anteriormente superados, pode não ocorrer devido à falta de contato com pessoas que tenham a mesma deficiência

Cenário atual:

Com o início da implantação da política da escola inclusiva, tivemos uma prova concreta de que a ordem dos fatores altera o produto: os alunos com deficiência foram direcionados para as escolas regulares, que na grande maioria das vezes não têm estrutura para o atendimento; os professores, por sua vez, não receberam treinamento adequado nem material de apoio suficiente.

O resultado foi uma queda brusca na qualidade do ensino para este público, onde os alunos ficaram muitas vezes encostados em um canto da sala sem conseguir acompanhar o ritmo da aula e os professores sem saber o que fazer para tentar ajudá-los.

Como acredito que deveria ser:

O primeiro passo seria a capacitação dos professores, que precisam pelo menos saber se comunicar em LIBRAS e braille. Eles ainda não encontram na grade de formação de docentes, uma disciplina obrigatória direcionada para a formação continuada, o que seria fundamental para lidar com esses alunos.

Em paralelo, a implementação igualmente obrigatória, de uma sala de recursos em cada escola, onde alunos com necessidades específicas encontrariam adaptações, equipamentos e tecnologias assistiva, que permitiriam um melhor aproveitamento das atividades propostas em sala de aula.

Outro ponto importante, seria disponibilizar professor auxiliar com as devidas capacitações para as turmas em que estejam matriculados alunos com deficiência, além de oferecer um contra turno com atividades de entretenimento, como jogos adaptados, que auxiliam, e muito, o desenvolvimento cognitivo e social.

O próximo passo seria criar uma rede de apoio junto às famílias a fim de conhecer as suas necessidades e conquistar a sua confiança, pois essa relação de cooperação será fundamental, visto que a família tem um papel de grande responsabilidade na educação desses jovens.

Também seria interessante envolver nesta rede, profissionais da saúde especializados, como fisioterapeutas, psicopedagogos, psicólogos e fonoaudiólogos, a fim de proporcionar uma melhor experiência do aluno neste processo.

Somente após este grande trabalho de preparação, fazer a integração dos alunos com deficiência junto aos demais, tornaria esta experiência, de fato, mais amistosa e confortável para ambos os lados.

Na minha opinião, neste período de implantação da educação inclusiva, ainda se faz necessário a existência das escolas especiais, até que esta estrutura esteja minimamente pronta, porque senão, o prejuízo na aprendizagem de uma geração inteira de pessoas com deficiência será incalculável.

Cumprindo o seu papel de oferecer mais qualidade de vida para as pessoas, e possibilitar acesso a quem precisa de alguma adaptação, a tecnologia será sempre uma grande aliada neste processo de inclusão educacional.

Todas essas ações farão parte da construção de um ecossistema com mais qualidade de vida para todos os cidadãos, sejam eles das mais diversas raças, credos ou necessidades, afinal de contas, oferecer uma boa educação são uma obrigação governamental, porém todos nós temos a missão de contribuir e colaborar para que ela aconteça de forma contínua e sem esquecer ninguém pelo caminho.

Compartilhe

Categorias

Assine a nossa newsletter

Fique por dentro dos principais temas em gestão, aprendizado e tecnologia do mercado!

Você também pode gostar