9-A-nova-fase-da-autoria-de-conteudo-no-Brasil-p2004

A Nova Fase da Autoria de Conteúdo no Brasil



1.) Objetivo

Assim como o marketing se transformou no mundo com o conceito de “segmentação de mercado”, o e-Learning entra na era do “Aprendizado Personalizado”, adaptável a cada um de nós, no momento de nossa necessidade. Esta pesquisa foi realizada com o objetivo de identificar como as organizações brasileiras estão se adaptando a esta nova fase da autoria do conteúdo.

2.) Metodologia

Foi realizado um levantamento quantitativo nos meses de fevereiro e março de 2004, por meio do portal e-Learning Brasil, aplicado a 261 organizações brasileiras. A análise abordou 5 tópicos distintos:

  • Nível de Conhecimento sobre Objetos de Aprendizagem;
  • Necessidade de conhecimentos sobre Objetos de Aprendizagem;
  • Utilização dos Objetos de Aprendizagem nas Organizações;
  • Público Alvo X Objetos de Aprendizagem;
  • Padrões de e-Learning nos Objetos de Aprendizagem.


3.) Características da amostra

A amostra analisada possui uma distribuição variada de empresas pertencentes a 5 regiões brasileiras (região sudeste, centro-oeste, norte, nordeste e sul). A pesquisa consultou 261 organizações, nos setores de educação (34%), tecnologia (15%), consultorias (10%), e-Learning (5%), governo (6%), treinamento (3%), entre outras (27%).

4.) Resultados

4.1) Nível de Conhecimento sobre Objetos de Aprendizagem

Mais da metade dos executivos consultados (60%) expressaram que dominam ou possuem bons conhecimentos sobre os “Objetos de Aprendizagem” no contexto de conteúdo. No entanto, 35% consideram possuir poucos conhecimentos sobre o assunto, e 5% nenhum conhecimento sobre os Objetos de Aprendizagem.

4.2) Necessidade de conhecimentos sobre Objetos de Aprendizagem

Quanto a necessidade de entender melhor sobre a definição de “Objetos de Aprendizagem” na nova fase do Aprendizado Personalizado, 98% das organizações responderam ser necessário ou absolutamente necessário obter mais conhecimento sobre este assunto. Apenas 2% das organizações consultadas afirmaram não ter esta necessidade.



4.3) Utilização dos Objetos de Aprendizagem nas Organizações

Questionamos se as organizações já trabalham no contexto de “Objetos de Aprendizagem”. As respostas foram equilibradas: 35% responderam que sim, atualmente já trabalham no contexto de Objetos de Aprendizagem e 34% disseram que não. Finalizando esta análise, 32% das organizações afirmaram que não possuem nenhum projeto de e-Learning atualmente.

4.4) Público Alvo X Objetos de Aprendizagem

Do geral, 81% das organizações responderam ser muito importante conhecer o público alvo que receberá o treinamento, para o desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem no contexto de Aprendizado Personalizado em e-Learning; 17% consideram apenas importante fazer este tipo de análise, e 2% afirmaram não ser necessário fazer este tipo de sondagem.

4.5) Padrões de e-Learning nos Objetos de Aprendizagem

Do total das organizações, 76% acreditam que os padrões de e-Learning (padrão AICC/SCORM, etc) contribuirão para a personalização do Aprendizado; 12% não consideram que estes padrões contribuirão de alguma forma para esta personalização, e 12% desconhecem os padrões comuns de e-Learning.

5.) Conclusões

A nova fase da autoria de conteúdo no Brasil se refere ao “Aprendizado Personalizado”, adaptável a cada um de nós, no momento de nossa necessidade. O objetivo desta pesquisa foi identificar como as organizações brasileiras estão se adaptando a esta nova fase da autoria do conteúdo. 

Os resultados obtidos nos cinco tópicos abordados desta pesquisa, aplicado às 261 organizações brasileiras dos diversos setores, revelam que há uma grande necessidade por parte das organizações por conhecerem mais sobre os Objetos de Aprendizagem. 

Apesar de 60% dos executivos consultados expressarem que dominam ou possuem bons conhecimentos sobre “Objetos de Aprendizagem” no contexto de conteúdo, 98% das organizações responderam ser absolutamente necessário entenderem melhor sua definição. Segundo a amostra, 35% das organizações afirmaram trabalhar no contexto de Objetos de Aprendizagem, contra 34% que ainda não utilizam. 

Do geral, 81% das organizações responderam ser muito importante conhecer o público alvo que receberá o treinamento, para o desenvolvimento de Objetos de Aprendizagem no contexto de Aprendizado Personalizado em e-Learning; 17% consideram apenas importante fazer este tipo de análise, e 2% responderam ser de pouca importância este tipo de sondagem. 

Do total das organizações, 76% acreditam que os padrões de e-Learning (padrão AICC/SCORM, etc) contribuirão para a personalização do Aprendizado; 12% não consideram que estes padrões contribuirão de alguma forma para esta personalização, e 12% das organizações brasileiras, participantes da pesquisa, desconhecem os padrões comuns de e-Learning.

Compartilhe

Categorias

Assine a nossa newsletter

Fique por dentro dos principais temas em gestão, aprendizado e tecnologia do mercado!

Você também pode gostar